Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
Quintas de Leitura - AINDA NÃO HÁ CAMAS SÓ PARA PESADELOS

Quintas de Leitura - AINDA NÃO HÁ CAMAS SÓ PARA PESADELOS

Teatro & Arte | Poesia

Teatro do Campo Alegre

Auditório
Classificação Etária
Maiores de 12 anos
Bilhete Pago
A partir dos 3 anos
2018
nov
22
Realizado

Duração

90 minutos

Promotor

Câmara Municipal do Porto

Breve Introdução

Literatura
Qui 22 Nov / 22h00
AINDA NÃO HÁ CAMAS SÓ PARA PESADELOS
Quintas de Leitura (integrada no programa dos Dias de Desassossego 18)

Auditório Campo Alegre

Um verso do poeta António José Forte dá título a esta sessão integrada no programa dos Dias de Desassossego ´18, uma organização da Casa Fernando Pessoa e da Fundação José Saramago. O desassossego invade o palco do Campo Alegre, que reúne seis vozes de gerações diferentes, seis vozes inquietantes, seis vozes detonadoras: Fernando Pessoa, José Saramago, António José Forte, Luiza Neto Jorge, Adília Lopes e José Miguel Silva. O escritor e editor Rui Manuel Amaral falará sobre o universo poético da sessão e comentará alguns dos textos escolhidos. Uma intervenção sem rede, sem peias. No ecrã, a imagem incendiária de Alex Gozblau, interagindo com as leituras das atrizes Teresa Coutinho, Crista Alfaiate e ainda Adolfo Luxúria Canibal, poeta, letrista e vocalista da banda Mão Morta. Vozes radiosas, cavernosas, peremptórias, ao serviço do desassossego. Entre leituras, um inusitado momento de novo circo, protagonizado pela companhia Radar 360°. Poesia a rimar com acrobacia. A dança da Palavra. A música também não poderá faltar neste sarau poético. A abrir, o som mágico do pianista, compositor, poeta, João Paulo Esteves da Silva. E, como se não bastasse, anuncia-se ainda a presença de Lobos de Barro, o novíssimo projeto que une Valter Lobo (voz, guitarras, letras) e André Lobo (piano, teclas, programações). Um diálogo entre dois juristas, que é um autoexame e uma redenção. O abraço fértil entre três instituições (Casa Fernando Pessoa, Fundação José Saramago e Teatro Municipal do Porto) ao serviço do sonho e da imaginação. Acreditar é tornar real.


Rui Manuel Amaral, Alex Gozblau, Teresa Coutinho, Crista Alfaiate, Adolfo Luxúria Canibal, Radar 360º, João Paulo Esteves da Silva., Lobos de Barro

Partilhar
Colecção de Postais do Museu Romântico

Serviços Adicionais

Veja ainda:

MIGUEL LOUREIRO - A Fera na Selva

Teatro & Arte | Teatro

Teatro Municipal Rivoli

Grande Auditório